16 de junho de 2021

Opinião – “Velocidade Furiosa 9” de Justin Lin


Sinopse

Dom Toretto (Vin Diesel) leva uma vida tranquila, longe de tudo, com Letty (Michelle Rodriguez) e o seu filho, o pequeno Brian. Mas todos sabem que para lá do horizonte pacífico, o perigo está sempre à espreita. Desta vez, esta ameaça vai forçar Dom a enfrentar os pecados do seu passado para conseguir salvar aqueles que mais ama. A sua equipa volta a unir-se para travar um plano que vai chocar o mundo, liderado pelo melhor condutor e maior assassino que alguma vez encontraram: Jakob (John Cena), o irmão abandonado de Dom.

Opinião por Artur Neves

E assim a saga de racing drive nas ruas de los Angeles iniciada em 2001, sobre uns moços habilidosos no tuning de motores de combustão e noutras atividades menos edificantes, com muitos problemas familiares que eles preservam acima de tudo, chega à sua nona sequela em 2021 (“F9” no original) e promete a décima para 2023. Deve ainda referir-se que esta saga sofreu um duro golpe com a morte de Paul Walker falecido em 2013, um polícia infiltrado no gang para investigar os roubos da equipa chefiada por Dominic Toretto (Vin Diesel) mas que foi mais ou menos absorvido no grupo pela paixoneta por uma das irmãs de Dom. Assim, recomeçou com outro fulgor a partir de 2017 com “Velozes e Furiosos 8”, constituindo com este filme “F9” e com o próximo “F10” uma trilogia da saga que faz um up scaling à história no sentido de a enviar para o espaço num veículo completamente absurdo e de a envolver com o crime internacional, em que eles, como é óbvio, aparecem sempre como os heróis incontornáveis para salvarem a humanidade e preservarem a família como célula fundamental da espécie.

E como vale tudo, foi descoberto um irmão desavindo a Dom que não há memória de este se ter referido a ele em qualquer dos “Velozes e Furiosos” anteriores, e foram nada menos do que 8. O irmão, Jakob (John Cena), presumidamente terá ajudado a matar o pai de ambos que andava enrascado com algumas dívidas de que se queria ver livre e ao ser descoberto por Dominic, este não mais o quis ver. É com ajuda de flashbacks que o realizador Justin Lin nos revela a justificação para os irmãos desavindos e que nos mostra a transformação de Jakob num mercenário a soldo de qualquer vilão internacional que pague bem, enquanto Dom continua como o melhor mecânico de rua, excelente e ousado condutor de camiões, agente secreto sempre que necessário, além de um patusco entusiasta de churrascos em que reúne a família e amigos para lautas refeições ao ar livre, na fazenda onde se isolou com a sua mulher Letty (Michelle Rodriguez) e seu filho mais novo.

De súbito é visitado pelos membros da sua antiga equipa que o avisa da morte do seu antigo chefe, Mr Nobody (Kurt Russell), pelo temível hacker criminoso Cipher (Charlize Theron) que pretende obter um dispositivo muito importante chamado Ares com propriedades de controlo de todos os computadores do mundo, assim como dos sistemas que eles controlam para obter o controlo absoluto da humanidade. (curiosamente, embora com outro nome é também o objetivo subjacente ao filme comentado anteriormente a este; “O Guarda-Costas e a Mulher do Assassino”, os argumentistas andam com falta de imaginação) Claro que por um motivo tão destruidor, Dom não pode ficar quieto e altruisticamente volta à sua atividade, principalmente para manter a segurança da família e simultaneamente a família mundial a que todos pertencemos.

E como vale mesmo tudo, para encontrar Ares, que está divido em duas partes e precisa de uma chave para se unir, não há como recrutar novos aliados, incluindo ressuscitar Han (Sung Kang), que se estreou em “Velozes e Furiosos 5: Tokio Drift”, morreu em “Velozes e Furiosos 6” e volta agora de novo à vida neste “F9” mostrando-nos como tão intrincada é a mitologia gerada em torno desta saga que mesmo sem um objetivo específico para a intervenção de Han, o ressuscita, principalmente para mostrar que os outros personagens ficaram felizes ao vê-lo.

Para ambientar toda a ação num invólucro coerente temos toda a parte referente à aventura, aos carros conduzidos de modo impossível, aos muitos tiros dados por todos e para todos os lados, aos carros em fuga que se atiram de um precipício e são apanhados em voo por um avião, a um dispositivo super magnético que se ativa e desativa quase por magia e possui efeito remoto porque pode ser ativado à distancia para atrair ou repelir os outros carros e, pasme-se, colocam um Pontiac clássico em órbita através de vários foguetes que lhe são amarrados lateralmente. Uma verdadeira loucura de espetáculo gráfico com o som fabuloso do Dolby Atmos.

Percebe-se ainda que o realizador não se preocupou muito com a ligação da história e compensou isso com vários flashbacks que pretendem tapar os buracos da narrativa, todavia as cenas não dececionam e toda a aventura ganha como o pendor cómico de algumas delas, tornando os personagens tão poderosamente caricaturais que se dão ao desplante de ironizar sobre a sua própria imortalidade. Como já referi noutras situações, “F9” é um género de que não sou adepto, mas reconheço que tenha os seus fans que vão adorar o upgradind conseguido ao longo de todos os 145 minutos de duração.

Estreia nos cinemas a partir de 24 de Junho

Classificação: 6 numa escala de 10

15 de junho de 2021

Opinião – “O Guarda-Costas e a Mulher do Assassino” de Patrick Hughes

Sinopse

O par mais improvável do mundo - o guarda-costas Michael Bryce (Ryan Reynolds) e o assassino profissional Darius Kincaid (Samuel L. Jackson) - está de volta noutra missão em que correm perigo de vida. Ainda sem licença profissional, Bryce tem de interromper as suas férias e regressar à ação quando se cruza com a vigarista internacional Sonia Kincaid (Salma Hayek), mulher de Darius, e ainda mais volátil do que o marido. Enquanto Bryce é levado à loucura pelos seus clientes mais perigosos, o trio envolve-se numa trama global e percebe rapidamente que é a única solução para salvar a Europa do caos total. Para ajudar à diversão e à destruição, Antonio Banderas é um vingativo e poderoso lunático, e Morgan Freeman... bem, só mesmo vendo.

Opinião por Artur Neves

Em 2017 apareceu uma história de um guarda-costas meio bronco Michael Bryce, que devia proteger o assassino Darius Kincaid de Manchester a Haia, até este chegar ao Tribunal Penal Internacional para testemunhar contra uma quadrilha internacional num julgamento. Claro que o assassino sabia no que se estava meter, precisava de proteção, só que este agente da justiça que lhe destinaram era a todos os níveis impreparado para a tarefa o que justifica uma disputa entre eles, mas que têm de se conciliar e entreajudar-se pois não há outra personagem disponível para o efeito. O resultado deste diferendo é uma comédia de ação, com muito movimento, muitos tiros, muitos efeitos especiais que teve um sucesso relativo baseado na surpresa da ideia em que se fundamentaram.

Em 2021 é a mulher do assassino Sonia Kincaid que clama por justiça e recruta o mesmo e desacreditado Michael Bryce para a ajudar no resgate de Darius Kincaid. Para dinamizar a história num sentido mais amplo inclui-se aqui um criminoso chamado Aristóteles (Antonio Banderas) que deseja destruir a comunicação de dados em toda a Europa como vingança pelas sansões económicas que o Parlamento Europeu imputou à Grécia na última grande crise do Euro em que os três se vêm envolvidos na sua perseguição pelo agente da Interpol Bobby O'Neill (Frank Grillo) para salvar o mundo. Para criar um ambiente familiar temos o encontro entre Bryce e o pai adotivo (Morgan Freeman) que lhe promete mexer uns “cordelinhos” para lhe ser devolvida a carteira profissional de guarda-costas de 1ª classe, retirada por motivo de ter deixado morrer um distinto cliente japonês. Para apimentar a história temos o amor assolapado entre Sonia e Darius que se esforçam repetidamente para fazer um filho há muito desejado que lhes permitirá formar a família que tanto anseiam, bem como, a linguagem desabrida dela que não perde a mínima oportunidade de dizer claramente o que lhe vai na alma.

Tudo isto, acompanhado de muitos tiros, lutas, efeitos especiais e muitos duplos, (que também precisam de trabalhar) apresentado num formato de grandes dimensões como o IMAX e o som estrondoso do Dolby Atmos, constitui o melhor remédio para nos fazer esquecer as preocupações com a pandemia que ainda anda por aí e que tenta a todo o custo trocar-nos as voltas.

Deste modo, o que temos aqui é uma farsa de ação e comédia, gozando com todos os clichés dos filmes de espionagem internacional, utilizando atores de primeiríssima água (Salma Hayek está fantástica) que sobem a fasquia do género através de ação bem desempenhada e de vocabulário desinibido, com fock e suas declinações quase a cada minuto, em diálogos engraçados que se percebe serem mais, o resultado do improviso do que o seguimento do argumento. Na sua essência a história, apenas serve para reunir os três personagens já conhecidos e bem desempenhados numa aventura mais global do que a viagem entre o Reino Unido e a Holanda em que se fundamentava o filme anterior.

Pode sem dúvida classificar-se como uma diversão despretensiosa de verão, do primeiro verão de alívio das restrições a que fomos sujeitos durante demasiado tempo, reconstruindo uma versão mais luxuosa em meios e recursos cénicos, com muito derramamento de sangue e várias dezenas de palavrões pronunciados por uma mexicana que não tem qualquer pejo em exibi-los, que se vê com agrado e provoca algumas gargalhadas. Embora não sendo particularmente adepto deste género, confesso que me divertiu e fizeram rir com vontade todas as picardias entre o trio principal.

Estreia nas salas de cinema, dia 17 de Junho

Classificação: 6 numa escala de 10

 

9 de junho de 2021

Opinião – “O Ruído” de Doug Liman


 

Sinopse

Num futuro não muito distante, Todd Hewitt foi criado para acreditar que uma doença matou todas as mulheres e tornou possível que todos consigam ouvir os pensamentos dos outros através de um certo “ruído”, Como resultado, ninguém pode guardar seus segredos. Mais tarde, ele encontra uma fonte de silêncio: uma mulher misteriosa chamada Viola (Daisy Ridley), a primeira que ele conheceu. Neste enredo perigoso, a vida de Viola está ameaçada e como Todd jura protegê-la, ele terá que descobrir o seu poder interior e desvendar os segredos sombrios do planeta.

Do realizador de The Bourne Identity e Edge of Tomorrow, e baseado no romance best-seller The Knife of Never Letting Go, Daisy Ridley e Tom Holland contracenam com Mads Mikkelsen, Demián Bichir, Cynthia Erivo, Nick Jonas, Kurt Sutter e David Oyelowo.

Opinião por Artur Neves

Este filme já teve uma primeira versão em 2011 que foi tão detestada pelo público e pela crítica que a produção resolveu refilmá-lo de novo em 2019 mas com resultados idênticos pois o problema está na história confusa contida no romance distópico de Patrick Ness “The Knife of Never Letting Go” (“A Faca que não Deixa Partir” em tradução livre) porque na história deste povo do futuro (ou do passado, não se sabe) o ato de entregar uma faca a um jovem significa a sua emancipação e o seu reconhecimento como homem integrado na comunidade. Só que não se percebe de onde vêm, para onde querem ir ou que sociedade formaram para estabelecerem esse princípio.

Identifica-se que estão num estado quase primitivo, que são sobreviventes não se sabe de quê, de que cataclismo lhes matou as mulheres. Pela semelhança física com a raça humana presumimos que fugiram da terra e habitam um planeta hostil que lhes retirou a privacidade dos seus pensamentos, expondo-os publicamente através da emissão de ondas mentais percetível pelos outros que estejam perto, a que eles chamam “O Ruído” que dá nome à história. Essas ondas mentais são coloridas pelo que para lá de impedirem a privacidade limita-lhes também a possibilidade de se esconderem revelando a sua localização como um semáforo bruxuleante.

Porém tudo muda quando uma nave chega ao planeta e dela sai Viola (Daisy Ridley) que encontra o jovem Todd (Tom Holland) que ao ver uma mulher pela primeira vez não sabe o que fazer para ocultar os seus pensamentos, apesar de repetir convulsivamente o seu nome para tentar ocupar o seu cérebro e não revelar os reais desejos que possui. No fundo ele só quer ajudá-la (vá-se lá saber porquê) a regressar ao seu planeta pelo que a tem de conduzir aos destroços de outra nave para comunicar com a nave mãe. Ele não conhece a localização dos destroços e o local é meio secreto (com o sempre constante “Ruído” nada é secreto mas…) mas ele tem de descobrir o caminho para a salvar e fica formado o novelo do caos em que se enredou esta história resultando num completo desperdício de recursos e de talento (Mads Mikkelsen desempenha o papel de presidente da comunidade) da história recente de Hollywood.

Quero declarar que não me regozijo com este completos flops cinematográficos pois seja como for, representam as esperanças onde muitas pessoas investiram as suas economias no pressuposto de contribuir para um objeto de diversão e uma obra de cinema capaz de transmitir uma ideia, um pensamento estruturado ou uma filosofia, só que aqui não “habita” nada disso. Alegar ficção científica e mostrar personagens em vestes andrajosas montados em cavalos e desenvolver a história num bosque com cenas de canoagem para chegar aos destroços de uma nave que miraculosamente mantinha intactos e alimentados os meios de comunicação interplanetário é talvez um pouco excessivo para granjear adeptos entre os espectadores.

No livro de Patrick Ness, a trilogia de onde esta história é o 1º volume, é a atmosfera do planeta que faz com que os pensamentos destes colonos sejam audíveis e visíveis. Charlie Kaufman um realizador e argumentista de ideias surrealistas foi quem primeiro deu corpo ao argumento e foi substituído por outros escritores, entre os quais Doug Liman que também assumiu a realização. Ele tem créditos firmados, dos quais “No Limite do Amanhã” de 2014 é um bom exemplo mas aqui ficou aquém do esperado apesar do bom elenco utilizado num pacote de fácil digestão e de adequada configuração. No entanto não ultrapassou o caos que gerou.

Disponível nas salas a partir de 10 de Junho

Classificação: 4 numa escala de 10

5 de junho de 2021

Opinião – “Supernova” de Harry Macqueen

Sinopse

Sam (Colin Firth, vencedor do Óscar) e Tusker (Stanley Tucci, nomeado ao Óscar) estão juntos há vinte anos e estão tão apaixonados como sempre. Mas o diagnóstico de demência precoce de Tusker veio alterar radicalmente as suas vidas. Com o agravar da condição de Tusker, Sam viu-se obrigado a suspender a sua vida para se dedicar a tempo inteiro ao companheiro. Enquanto Tusker ainda está em condições de viajar, decidem fazer uma viagem para retomar o contacto com amigos, familiares e lugares de seu passado. Embora Tusker já tenha sido o grande amparo de Sam, cabe agora a este assumir o comando da situação. Com o desenrolar da viagem, as ideias que cada um tem para o futuro começam a confrontar-se. Descobrem-se segredos, revelam-se planos individuais e o amor que sentem um pelo outro é testado como nunca. Por fim, face à doença incurável de Tusker acabam por ter de se enfrentar o que significa amarem-se.

“Supernova” é realizado e tem o argumento original de Harry Macqueen ("Hinterland"), e conta com o diretor de fotografia nomeado para Óscar, Dick Pope ("Os Órfãos de Brooklyn", "Mr. Turner), e é uma comovente e moderna história de amor sobre um casal que que procura resgatar o passado e as amizades que construiu durante a sua vida.

Opinião por Artur Neves

Esta é uma história de perda, perda irreparável porque é a perda do objeto do amor e isso tem um significado maior para o perdedor. Tal como em “A Despedida”, recentemente estreado nas salas de cinema, esta história trata do direito inalienável de cada um sobre o destino a dar à sua vida, quando, pela degradação irremediável da sua saúde isso comprometa a sua autonomia e o seu conhecimento de si de forma tão radical que não se possa chamar vida, ao que resta da sua atividade orgânica.

Já são vários os filmes recentes que abordam esta temática tão em voga, talvez decorrente do aumento da expectativa de duração do tempo de vida, mas que de nada valerá se não incluir a sanidade mental que a justifica. Recordo-me de Julianne Moore em “O Meu nome é Alice” de 2014, Anthony Hopkins em “O Pai” de 2020 ou Susan Sarandon no filme anteriormente referido, cabendo agora a Sam e Tusker (Colin Firth e Stanley Tucci respetivamente) que interpretam um casal gay que estão juntos há vinte anos e desfrutam de uma harmonia invejável fundamentada no amor que continua a justificar a sua união.

Tal como em a “A Despedida” Tusker prepara uma reunião de familiares e velhos amigos na casa da irmã de Sam, Lilly (Pippa Haywood) para a qual se dirigem na sua caravana de muitas viagens, pelas estradas secundárias da província de Lake District, no Reino Unido. Sam preferiria a ajuda do GPS mas porque a voz metálica do aparelho desagrada a Tusker, este prefere seguir no mapa e guiá-lo sobre os caminhos a tomar, a conversa entre ambos é amena e suave, incomum em casais com uma longa vida juntos.

Sam é pianista em licença sabática prestes a reativar a sua atividade logo a seguir a este feriado em que programaram a viagem e Turker é um escritor presentemente afastado da sua atividade pela progressividade da sua doença e relutante em começar a recolher notas para o início, todavia ele continua a dizer que está a escrever um livro para publicação em breve, para acalmar o companheiro que percebe e se preocupa com o crescendo das suas limitações. Quando param para abastecer numa bomba de gasolina, percebe-se a aflição de Sam ao ver que Turker saiu da caravana e não se encontra nas proximidades. Sam pega na caravana e segue a estrada à sua procura até o encontrar, parado em frente de um portão, de olhar vazio, perguntando-se onde está e sem saber como foi ali parar.

O argumento escrito por Harry Macqueen é lento como a vida dos seus personagens colocando o espectador no mundo do casal, dando ênfase ao mais importante que é a relação amorosa entre ambos, a sua vida no interior da caravana, o quarto onde Sam viveu a sua infância na casa dos pais onde ainda vive a sua irmã, a sua cama de solteiro que agora serve para ambos, gerando um ambiente de sã intimidade que nos transmite a paz que reina entre eles.

A viagem não é inocente, Tusker está suficientemente conhecedor do seu estado e o motivo para a festa de aniversário em casa de Lilly arrasta a despedida e a comunicação da sua decisão que é descoberta por Sam antes de tempo, quando a Tusker lhe falta a palavra e ele gere generosamente essa falta. O mais importante em Macqueen é evitar o sentimentalismo barato, a comiseração ou qualquer outra mancha afetiva e consegue-o com pleno êxito. Muito bom, recomendo sem reservas.

Estreia nas salas de cinema a 17 de Junho

Classificação: 7 numa escala de 10

 

1 de junho de 2021

Opinião – “O Espião Inglês” de Dominic Cooke

Sinopse

O Espião Inglês é um thriller de espionagem baseado em factos verídicos, trata-se da história do modesto empresário britânico Greville Wynne (Benedict Cumberbatch), recrutado para ajudar num dos maiores conflitos internacionais da História. A pedido do MI6 britânico e de uma agente da CIA (Rachel Brosnahan), ele cria uma parceria secreta e perigosa com o oficial soviético Oleg Penkovsky (Merab Ninidze), num esforço para obter informações cruciais para prevenir um confronto nuclear e desanuviar a Crise dos mísseis de Cuba.

Opinião por Artur Neves

O que temos aqui é um filme de espiões old fachioned (e isto não é uma observação depreciativa) que relata a parceria de espionagem mais conseguida entre ingleses e americanos durante os tempos da Guerra Fria, que culminou na crise dos mísseis que de Cuba que opôs J. F. Kennedy a Nikita Khrushchev (Vladimir Chuprikov) quando este se propunha a instalar mísseis nucleares na ilha de Cuba, sob o domínio revolucionário de Fidel Castro, como retaliação para a instalação de mísseis nucleares americanos na Turkia.

A história que nos é contada é verdadeira, aconteceu nos anos 60 no início da Guerra Fria que iria continuar nas décadas seguintes e é suporta da por um elenco de atores que constroem um ambiente de época habilmente captado pelo realizador Dominic Cooke que assim documenta a intensidade da espionagem internacional durante esses anos.

Subtilmente é-nos também mostrado as diferenças intrínsecas entre a CIA e o MI6 inglês, que ontem como hoje assume uma petulância e pretensa superioridade nas relações internacionais com base na convicção de serem os melhores e do trabalho em equipa constituir sempre uma inerente subserviência dos outros perante os súbditos de sua majestade. Apesar dos tempos serem outros os tiques de sobranceria e individualismo permanecem, tal como o Brexit nos mostra.

Greville Wynne (Benedict Cumberbatch) é um vendedor de maquinaria pesada, representante de fabricantes britânicos que desenvolve o seu negócio em Londres para todos os países da Europa que os queiram adquirir e que por inciativa de Emily Donovan (Rachel Brosnahan) alto quadro da CIA, convence o MI6 na pessoa de Dickie Franks (Angus Wright) director da Junta do Comércio Internacional, a utilizar para contacto secreto com Oleg Penkovsky (Merab Ninidze) um coronel do exército soviético desiludido com a política expansionista e beligerante do seu país, disposto a partilhar informações secretas que impeçam o início de uma 3ª guerra mundial que Nikita Khrushchev não teria qualquer reserva em iniciar e que é descrito por Penkovsky como “impulsivo e caótico, um homem que não devia ter acesso a códigos nucleares” e que em certa medida justifica a sua atitude.

Postos em contacto, os dois homens estabelecem uma relação amistosa em almoços, espetáculos no Bolshoi e visitas ao West End que corroboram os negócios e mascaram os verdadeiros objetivos de transferência para o ocidente dos segredos de estado soviético.

Inevitavelmente a vida familiar de Greville sofre uma alteração significativa com sua esposa Sheila (Jessie Buckley) a suspeitar que ele tem um caso como aconteceu no passado e do qual ainda subsistem algumas feridas. Greville está dedicado à causa de que foi incumbido e a sua atividade como espião sobrepõe-se à sua atividade comercial e obrigações mundanas da vida do casal.

À medida que a crise dos mísseis evolui e os estados Unidos tomam conhecimento dos seus pormenores, a vida de Penkovsky complica-se, decorrente das denúncias de espiões soviéticos infiltrados no MI6 e começa a colocar-se a necessidade de tirá-lo de lá. Greville disponibiliza-se para fazer uma última viagem à Rússia, contrária à perspetiva do MI6 que se preparava para abandonar Penkovsky à sua sorte. Todavia o plano para o retirar da Rússia não tem o resultado esperado e é aqui que se destaca o verdadeiro desempenho do personagem de Cumberbatch, que fica preso na Rússia por cerca de dois anos e torna crível o seu sofrimento pelo amigo que investiu a sua vida por um bem maior, que nunca foi devidamente reconhecido pela história. Quando finalmente é libertado por troca com um espião russo preso no ocidente, é um homem envelhecido precocemente que segue com a sua vida até falecer em 1990. Trata-se de uma história bem gizada, com personagens bem construídos que recomendo sem reserva.

Em exibição nas salas a partir de 10 de Junho

Classificação: 7 numa escala de 10