28 de fevereiro de 2011

Zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz... Porque podemos sempre voar mais alto!

Titulo: Zzzer ou não Zzzer
Autor:
John Penberthy
Tradução: Duarte Sousa Tavares
Páginas: 144
PVP: 13,00€
Disponível a 4 de Março

Sinopse:

Acha que tem problemas?

Então imagine a vida que leva uma abelha operária: uma existência reprimida, entrincheirada no tédio sem fim da vida da colmeia – procurar alimento, armazenar o mel e o pólen, alimentar as larvas, proteger e reparar a colmeia… e depois, dormir, acordar e repetir tudo. Vezes e vezes sem conta…
Com ilustrações mágicas da premiada artista plástica Laurie Barrows, Zzzer ou Não Zzzer conta a história de Buzz, uma jovem abelha insatisfeita com esta vida repetitiva e sem finalidade. Quase por acidente, Buzz parte numa busca espiritual ao encontro de Deus e do sentido da vida. Mas, para sua surpresa, acaba por encontrar-se a si próprio!
Ao longo das tropelias e aventuras que vive na sua busca, Buzz vai aprendendo algumas das lições mais importantes da vida. Apesar de todos os desafios que um pequeno insecto tem de enfrentar no vasto mundo, cada experiência faz com que Buzz fique mais sábio e sagaz – e perceba que, literalmente, pode voar tão alto quanto quiser.

Com sábios aforismos e muito bom humor, Zzzer ou Não Zzzer ensina-nos que a vida é demasiado importante para ser levada demasiado a sério. Recorrendo a ensinamentos espirituais das mais diversas tradições de sabedoria – do Taoísmo ao Hinduísmo, do Cristianismo à filosofia New Age – esta fábula para todas as idades transmite importantes lições sobre a verdadeira realização pessoal.
Muitas vezes, questionamos o sentido do nosso trabalho, dos nossos relacionamentos e das responsabilidades que assumimos, na secreta esperança de que algo – um mestre espiritual ou um sistema de crenças – nos traga todas as respostas. Mas, como a pequena abelha Buzz aprende ao longo destas páginas, por muito que procuremos as respostas fora de nós, é no nosso interior que reside o segredo do sentido da existência. Uma original e comovente fábula espiritual que o deixará com um sorriso no rosto e com um brilho nos olhos.

Autor:
John Penberthy nasceu com uma doença crónica e sem cura: uma insaciável curiosidade! Desde muito cedo que se dedicou ao estudo do desenvolvimento pessoal. Após ter obtido um MBA, passou uma década a trabalhar em estudos de mercado e consultoria económica. Em seguida, atravessou um intenso período de busca espiritual, na sequência do qual se dedicou a colaborar com diversas ONG e organizações de beneficência. Zzzer ou Não Zzzer, o seu primeiro livro, é um best-seller internacional, publicado em mais de 13 países. www.tobeebook.com

Novidades Contraponto para Março

Título: Feitiços
Autor: Aprilynne Pike
N.º de páginas: 296

PVP.: 16,50€
Lançamento: 11 de Março

Sinopse:
«Laurel deu consigo a apertar o pequeno anel que Tamani lhe oferecera um ano antes e que ela trazia num fio fino em redor do pescoço. Tinha tentado não pensar nele durante os últimos seis meses. «Tentado», admitiu a si mesma, «e falhado.» Obrigou-se a abrir os dedos e a soltar o anelzito e procurou fazer os braços menearem-se com naturalidade e confiança junto ao corpo à medida que caminhava em direcção à floresta.

Quando as sombras dos ramos das árvores se abateram sobre ela, um rasgo de verde e preto lançou-se de uma árvore e ergueu Laurel no ar. Ela gritou de medo, e depois de prazer.
– Sentiste saudades minhas? – perguntou Tamani, com o mesmo meio-sorriso arrebatador que a encantara da primeira vez que o encontrara. [...]»

http://obeijodoselfos.blogspot.com/

Título: Ghostgirl - O Regresso
Autor: Tonya Hurley
N.º de páginas: 304
PVP.: 16,50€
Lançamento: 11 de Março

Sinopse:
«Se não esperarmos nada, nunca nos sentiremos decepcionados.

À excepção de certos poetas idealistas ou de alguns monges que vivem no cimo de montanhas, todos acalentamos expectativas. Não só as temos como precisamos delas. São um estímulo para os nossos sonhos, as nossas esperanças e as nossas vidas, são como uma bebida energética com uma dose acrescida de cafeína. Charlotte podia ter deixado de viver, mas não deixara de sonhar, embora tivesse fortes suspeitas de que os seus sonhos permaneciam eternamente em suspenso.»

http://ghostgirlportugal.blogspot.com/

Novidade Vogais e Companhia para Março

Título: Uglies 3 - Especiais
Autor: Scott Westerfeld
Páginas: 288

À venda a 3 de Março

Sinopse:
Tally Youngblood pensou que tudo não passava de um rumor, mas agora é uma Especial.Uma máquina de luta criada para controlar os Imperfeitos e manter os Perfeitos na maior ignorância.Ser programada de forma perfeita, com uma força extraordinária e um único propósito, talvez não seja a melhor coisa que lhe podia ter acontecido. Tally ainda tem memórias de algo mais. Tem sido fácil ignorá-las, até que lhe é oferecida a possibilidade de exterminar os rebeldes do Novo Fumo para sempre. Tudo se resumirá a uma escolha final: seguir aquele longínquo bater do coração ou levar a cabo a missão para a qual a conceberam.

JOSEPHINE BAKER EVOCADA EM ESPECTÁCULOS, LIVRO, EXPOSIÇÃO E ROTEIRO CULTURAL

LISBOA, 16 FEV. 2011 – A memória de Josephine Baker – bailarina, cantora e Humanista – é evocada em Março próximo a propósito da celebração do 70.º aniversário da sua estreia artística em Portugal.

· Um livro (da autoria de João Moreira dos Santos),
· dois espectáculos no Teatro da Trindade (11 e 12 de Março),
· uma exposição (também no Trindade),
· um Roteiro Cultural

constituem as iniciativas agendadas para celebrar aquela que foi a primeira vedeta negra a nível mundial e pioneira nas adopções multi-étnicas, tendo-se destacado pelo seu trabalho humanista e filantrópico.

As comemorações são organizadas pelo investigador e historiador João Moreira dos Santos, autor de um inédito e pioneiro livro sobre a longa relação que Josephine Baker manteve com Portugal entre 1933 e 1960.
Esta obra, editada pela Casa Sassetti, constitui o ponto de partida de todas as celebrações e desvenda não só o lado artístico da Vénus Negra, mas também as missões de espionagem que esta desenvolveu em Lisboa nos anos da Segunda Guerra Mundial, a sua tentativa de adopção de uma criança portuguesa e, em pleno Estado Novo, as suas “inconvenientes” declarações políticas anti-racismo e a favor da Fraternidade Universal.
A apresentação de Josephine Baker em Portugal: Crónica da artista, agente secreta, mãe universal e activista dos direitos cívicos (livro que inclui um DVD com imagens e filmes históricos), realiza-se no dia 11 de Março, pelas 18h30, no Teatro da Trindade, contando com a participação da historiadora e investigadora Irene Flunser Pimentel, que abordará a temática da espionagem na Lisboa dos anos 40.

No Teatro da Trindade, onde La Baker se estreou na Primavera de 1941, decorrem a 11 e 12 de Março dois espectáculos únicos que procuram reconstituir os seus shows de há 70 anos e também a história da sua fascinante relação com Portugal na Lisboa dos espiões e de Salazar dos anos 30-60. Com guião e encenação de Moreira dos Santos e direcção artística de Sofia de Portugal, este é um espectáculo multimédia que apresenta música, dramatização e vídeo.

Também no Teatro da Trindade, estará patente, de 4 a 31 de Março, uma inédita exposição sobre Josephine Baker em Portugal. A mostra apresenta telas expressamente pintadas pelo artista plástico Xico Fran, discos raros, cartazes, documentos e fotografias desconhecidas do grande público.
O ciclo de comemorações inclui ainda um roteiro cultural intitulado “Na Peugada de Josephine Baker pela Lisboa dos Anos 30-60”. O objectivo é levar o público à descoberta das principais ruas e edifícios de Lisboa que acolheram esta icónica artista ao longo de quatro décadas, revelando as várias facetas que La Baker desenvolveu na capital, incluindo as de turista, artista, espia, mãe adoptiva e activista dos direitos cívicos. O passeio é aberto a todas as idades e desenrola-se no Bairro Alto, Chiado, Baixa e Avenida da Liberdade.

“Antes de Madonna, antes de Angelina e antes de Marilyn, havia Josephine!”

Convite para a sessão de lançamento do novo livro de Poesia de Eduardo Pitta, "Desobediência"

Apresentação do livro «O Sexo Ainda Mais no Feminino», com a presença de Sylvia de Béjar

Convite «Complexo - Universo Paralelo»

Entrevista a Daniela Pereira


Entrevista:

Começaste a escrever com que idade?
Comecei a escrever muito cedo. Sempre tive um gosto enorme pelas palavras e desde de miúda que adorava inventar pequenas histórias.No entanto se a tua pergunta se refere a uma escrita mais séria,foi só por volta de 2004 que comecei a escrever num blog o Devaneios Azuis e a participar em alguns fóruns literários. Foi através do blog que comecei a partilhar os meus pensamentos, geralmente escrevia essas ideias e sentimentos em poesia.Em 2005 surgiu a oportunidade de editar alguns desses poemas no livro Cortar as palavras num só golpe. E a partir daí nunca mais parei.

Como surgiu este sonho de escrever um livro?
É uma boa pergunta...acho que só me senti capaz de mostrar os meus textos a partir do momento em que senti que as pessoas se identificavam com as palavras que escrevia. Aí senti que seria bom conseguir fazer com que essas palavras...com que esses pedaços de mim chegassem a mais pessoas.Principalmente às pessoas que tanto carinho e apoio me davam ao mostrarem-me que elas mesmo já tinham sentido os mesmos medos,as mesmas desilusões,as mesmas dúvidas que eu ali exibia para o resto do mundo.Quando escrevemos um livro acho que o maior sonho para um escritor é sentir que as suas palavras têm um sentido para o leitor,que o leitor as consegue entender e acima de tudo que as consegue sentir também um pouco suas.

Foi fácil te lançares no mundo literário?
Bem... ainda não me considero lançada no mundo literário. Preciso crescer muito ainda... como autora mas sobretudo como pessoa.
Iniciei a aventura da escrita pela poesia, tenho dois livros editados com a poesia de fundo..o livro “Cortar as palavras num só golpe” da Corpos Editora de 2005, em 2007 editei o livro Afectos Obsessivos pelas Edições Ecopy e pouco tempo depois fiz a participação numa colectânea poética. Este ano com o livro “Já não se fazem Homens como antigamente”, tive a oportunidade de explorar um género de escrita bem diferente...com um fundo humorístico e de sátira social,uma escrita mais leve e de fácil leitura.

Fala-nos um pouco deste teu livro “Já não se fazem homens como antigamente”.
A minha partipação neste projecto, surgiu por um convite que o escritor João Pedro Duarte me fez. O João estava à procura de escritores que colaborassem com histórias relacionadas com as mudanças comportamentais dos homens e das mulheres nos seus relacionamentos. Para falar um pouco da evolução da mentalidade humana...de relacionamentos rápidos...da forma como as relações se tornaram menos estáveis. Eu então juntei algumas ideias que tinha na cabeça e estruturei uma história que se enquadrou muito bem com a ideia do João e assim nasceu a “Clara ou a Cinderela dos tempos modernos”. Esta história relata as várias fases de um relacionamento que Clara e o Tozé ( o outro protagonista desta história) iniciam neste livro.É um casal muito peculiar e engraçado..sobretudo porque têm uma forma de mostrar o que sentem muito transparente e o leitor pode “espiar” todos os momentos desta relação sem que nada seja ocultado.

Como é a experiência de escrever um livro “a meias”?
Estranha... mas sobretudo muito interessante. Esta escrita partilhada acontece com cada um dos autores a mostrar a sua visão dos relacionamentos... com um olhar diferente... Cada um de nós criou uma história distinta, mas todas elas unem-se em torno da mesma mensagem. Por exemplo a minha história foca a ideia de que já não existem homens perfeitos,nem relações de contos de fadas...que nada é eterno. Já a história do Pedro Miguel Rocha, fala na interferência do mundo virtual num relacionamento ...a história do João Pedro Duarte fala em relações abertas,onde dois apaixonados vivem relações paralelas fugindo do amor que sentem um pelo o outro.Finalmente a história do Miguel Almeida atira-nos para a rejeição da velhice...do medo de perder a capacidade de amar e de dar prazer ao outro. No entanto todas as histórias falam de casais.. de pessoas relacionadas umas com as outras em relações estranhas,dificeis mas apesar de tudo muito divertidas e até profundas.

Onde vais buscar a tua inspiração?
Aos sentimentos.... é dentro de mim e de tudo o que eu sinto que encontro a minha inspiração para criar.

Como é o teu processo criativo? Tens algum ritual?
O meu processo criativo é caótico... não existe uma organização das ideias que passo para o papel. Geralmente sou impulsionada para o papel quando algo mais forte é sentido dentro de mim. Tenho alguma dificuldade em criar algo pré-concebido ou rotulado. Gosto mais de criar gritos... palavras que sinto que preciso de soltar. Claro que isto acontece muito devido ao facto de ser uma apaixonada pela poesia. Porque a poesia nasce muito em mim como um prolongamento das minhas vivências...das minhas próprias experiências.

Quais são as tuas referências literárias?
Não posso dizer que tenha referências literárias muito rígidas …. os meus gostos literários variam muito consoante a fase sentimental que atravesso. Mas posso citar alguns escritores que leio com prazer e admiro, por exemplo aprecio imenso Haruki Murakami por todo o universo criado nos seus contos, leio bastante Luís Sepúlveda e Isabel Allende.Já na vertente da poesia sou desde sempre uma apaixonada por Florbela Espanca,Pablo Neruda e Herberto Hélder. No entanto também gosto de ler um pouco dos novos talentos na escrita que vão surgindo e marcando o seu próprio estilo.

Qual o teu livro preferido?
Neste momento Kafta à beira mar do Haruki Murakami... apaixonei-me por completo por este livro assim que o comecei a ler.Foi amor à primeira página...e depois deste amor nunca mais larguei este autor.

Qual a tua citação preferida?
Não sou muito de ter citações preferidas.. Acho que o pensamento de uma pessoa deixa de ter a mesma força quando é conjugado por outra pessoa que não seja aquela que o criou. Mas existe um provérbio popular que me tem acompanhado em vários momentos da minha vida: “Quem semeia ventos,colhe tempestades”. Talvez pela riqueza desta expressão que engloba tantas verdades com que nos debatemos nas nossas relações, na nossa forma de ver o mundo como um universo que nos devolve de alguma forma todos os nossos gestos..os gestos bons que nos influenciam positivamente e os maus que nos acabam sempre por prejudicar.

Qual foi o último livro que leste?
Ainda estou a ler, tenho na minha mesinha de cabeceira por acabar o Elefante Evapora-se de Haruki Murakami. E tenho em lista de espera o livro “O último voo do flamingo” do Mia Couto.

Se tivesses de escolher uma banda sonora para acompanhar a leitura de “Já não se fazem homens como antigamente” qual seria?
Uma banda sonora...deixa ver. Eu raramente ouço música quando leio e quando ouço coloco a minha playlist de músicas preferidas a tocar de forma aleatória...deve andar por lá músicas dos Interpol, PJ Harvey,Noah and the Wales e muitas outras.

Quais são os teus planos e objectivos para o futuro?
Ter saúde e continuar cercada pelas pessoas que mais amo.Acima de tudo desejo nunca perder a capacidade de dar forças aos amigos quando precisam de mim...desejo nunca perder a capacidade de sonhar e de me exprimir através das palavras.Podia dizer que faço muitos planos para o futuro ou que traço muitos objectivos pela vida fora, mas a vida tem-me mostrado que é mutável a uma velocidade super-sónica.Não há nada que seja eterno ou dure para sempre..por isso vou-me adaptando aos momentos que encontro na minha vida. Aqueles momentos que são importantes para mim,que me apaixonam eu agarro com força e luto por eles Na escrita, guardo um projecto de um livro infantil que ainda preciso amadurecer , mas que espero num futuro próximo conseguir partilhar.

23 de fevereiro de 2011

Homenagem a Olga Prats

PRESS RELEASE LANÇAMENTO DO LIVRO DO PAPA 'JESUS DENAZARÉ'

A Principia Editora encontra-se a preparar a publicação da Parte II do livro do Papa ‘Jesus de Nazaré, Da entrada em Jerusalém até à Ressurreição’ que estará disponível a partir de dia 11 de Março em todas as livrarias do país.

Nas palavras do Papa Bento XVI «Posso finalmente trazer a público a Parte II do meu livro sobre Jesus de Nazaré. (…) Embora continue, naturalmente, a haver detalhes a discutir, todavia espero que me tenha sido concedido aproximar-me da figura de Nosso Senhor de um modo que possa ser útil a todos os leitores que queiram encontrar Jesus e acreditar n’Ele.» (Prefácio).

A apresentação mundial do livro vai decorrer, no Vaticano, no próximo dia 10 de Março e em Portugal o livro vai ser apresentado nas várias dioceses portuguesas pelo seu bispo estando já agendadas as seguintes sessões:

· 11 de Março – Dom Manuel Clemente apresenta na Universidade Católica pelas 12h00
· 11 de Março – Dom José Policarpo apresenta na Igreja do Sagrado Coração de Jesus pelas 18h30
· 18 de Março – Dom Manuel da Rocha Felício estará presente na sessão de apresentação na Biblioteca Municipal da Guarda pelas 18h00
· 18 de Março – Dom Ilidio Leandro apresenta no Centro Pastoral Diocesano de Viseu pelas 21h00
· 19 de Março – Dom António Vitalino Dantas apresenta na Biblioteca José Saramago, Beja pelas 16h30
· 24 de Março – Dom Jorge Ortiga e Dom António Couto apresentam no Auditório Vita, Braga pelas 21h30
· 25 de Março – Dom Joaquim Gonçalves apresenta no auditório do Hotel Miracorgo, Vila Real pelas 21h00
· 25 de Março – Dom Jacinto Tomás Botelho estará presente na sessão de apresentação no Seminário de Lamego pelas 21h00


Estão confirmadas também sessões de apresentação em Évora e Viana do Castelo em dia e hora a comunicar.

Sabor de Maboque

A Papiro Editora vai promover, dia 25 de Fevereiro, pelas 18h00 a apresentação do livro “Sabor de Maboque”, da autora Dulce Braga na Bulhosa de Campo de Ourique.

A autora que vem de propósito do Brasil estará ainda no dia 28 de Fevereiro pelas 19h00 na Casa de Angola, em Lisboa, para uma sessão de autógrafos.

Dois meses depois da revolução portuguesa dos cravos (25 de Abril de 1974) uma jovem nascida e criada no coração de Angola, passa como de costume, suas ultimas férias escolares no verão europeu. Foram três meses de prenúncio, do rebuliço que sua vida seria dali em diante. Com o fim das férias e consequente retorno para a ainda colônia angolana, ela se vê vivendo e temendo por seu grande e primeiro amor, pelos seus amigos, pela sua confortável situação sócio econômica, no epicentro do rodamoinho da guerra civil angolana. É um relato verídico, quase um diário, das perdas, das dores, do medo, da angústia, da luta pela sobrevivência, do desespero e de todas as demais mazelas que as guerras invariavelmente injetam em todos os seus participes, ativos ou passivos. Um ano depois de sua chegada ao Brasil, país para onde fugiu a menos de dois meses do dia da independência de Angola (11 de Novembro de 1975), ninguém mais notava ser ela uma estrangeira. A perda do sotaque juntamente com a hibernação de toda a sua infância e adolescência, foi a maneira pragmática que inconscientemente usou para não ser questionada sobre sua origem e não mexer nas feridas que começavam a cicatrizar. Trinta anos depois o personagem por ela adotado para viver no novo país, que tão carinhosamente a recebeu, dá sinais de esgotamento e como uma árvore sem raízes reclama por elas, para que possa continuar ereta. Essa reivindicação do seu âmago, juntamente com um velho pedido de seu marido e seus filhos para que escrevesse sua experiência de vida, desencadearam um processo de resgate das memórias olfativas, gustativas, sonoras, visuais, emocionas... A erupção desse enorme vulcão, provoca uma profunda catarse e finalmente ela dialoga em paz com o seu pedaço por tantos anos amortecido.

Amanhã - Passos Coelho na apresentação da obra Património Imaterial do Douro



21 de fevereiro de 2011

Novidades Casa das Letras para Março

Título: Autobiografia de Fidel Castro
Autor: Norberto Fuentes

Sinopse:
Norberto Fuentes foi um membro da Revolução Cubana e fez parte, durante anos, do círculo mais próximo de Fidel Castro. Mas, nos finais dos anos 80, quando o regime começou a enviar alguns dos seus camaradas mais antigos para o pelotão de fuzilamento, passou a ser Um Homem Que Sabia de Mais. Tendo escapado à pena de morte e agora a viver no exílio, Fuentes converteu o seu conhecimento e a sua experiência naquela a que muitos chamam a biografia definitiva de Fidel Castro, mas fê-lo na primeira pessoa, como se fosse o próprio Fidel a redigi-la.

Nas Livrarias a 31 de Março






Título: Sem Rumo
Autor: Joshua Ferris

Sinopse:
Durante vinte anos de casamento, Tim e Jane Farnsworth saborearam os frutos do trabalho dele como advogado de sucesso: vivem numa casa confortável, fazem férias em locais exóticos, não têm quaisquer preocupações financeiras.
Tim venceu por duas vezes uma bizarra e inexplicável doença, mas tais episódios, embora não completamente esquecidos, fazem parte do passado. É então que a doença regressa,obrigando-o a comportar-se de uma forma assustadoramente nova.
Joshua Ferris foi recentemente considerado pela revista The New Yorker um dos melhores escritores com menos de 40 anos.

Nas Livrarias a 31 de Março



Título: Casper – O Gato Viajante
Autor: Susan Finden

Sinopse:
Casper tornou-se uma celebridade nacional quando os jornais divulgaram a história de um gato extraordinário que apanhava regularmente o autocarro número 3, fazendo viagens de dezoito quilómetros pela sua cidade, Plymouth, em Devon.
Contado de uma maneira comovente pela sua dona, que o amava profundamente, Casper, O Gato-Viajante, é a história tocante de um gato branco e preto muito especial, que viajava de autocarro e que conquistou os nossos corações.

Nas Livrarias a 21 de Março






Título: Na Sombra do Desejo
Autor: J.R. Ward

Sinopse:
Nas sombras da noite da cidade de Caldwell, em Nova Iorque, trava-se uma guerra territorial entre os vampiros e seus caçadores. Ali, existe um bando secreto de irmãos sem igual — seis guerreiros vampiros, defensores da sua raça. Mas agora um aliado da Irmandade está prestes a enfrentar os seus próprios desejos obscuros…

Nas Livrarias a 28 de Março










Título: A Morte Tem Cura e Outras 99 Curiosidades Médicas
Autor: Roger Dobson

Sinopse:
Já pensou porque é que os bebés chupam no dedo ou porque preferem os homens as loiras? Quer saber como os chuveiros podem fazer mal ao cérebro ou descobrir por que razão as mulheres gemem durante o sexo? Ou tem curiosidade em saber como a depilação aumenta o risco de cancro ou apenas como curar os soluços? Gostaria de saber exa­ctamente a data em que vai morrer?
Cem dessas teorias foram reunidas em A Morte Tem Cura, livro baseado numa das mais polémicas publicações médicas do mundo: a Medical Hypotheses.

Nas Livrarias a 21 de Março

Novidades Bizâncio para Fevereiro



Entrevista a Frederico Duarte


Esta semana, o autor que vos trago é Frederico Duarte, escritor português de fantasia, que publicou o seu primeiro livro "Avatar" em 2007. E que, desde então, já escreveu "Necromancia", o segundo volume da Saga Destino do Universo, e que se encontra presentemente a escrever o terceiro volume “O Guerreiro Elementar”.
Podem ainda acompanhar todas as novidades desta saga no fórum oficial - www.destinodouniverso.pt.vu - e no blog do autor – http://destinodouniverso.blog.com/.


Entrevista:

Começaste a escrever com que idade?
R: Sempre gostei de escrever e tinha como sonho lançar-me nesta área, mas sempre achei que era algo inalcançável. Um dia, e para responder à pergunta tinha eu 19 anos, decidi por no papel as aventuras que tinha vindo a criar na minha mente.

Se a matemática é uma dor de cabeça para muitas pessoas, acho que podemos dizer que para ti acabou por significar o Destino do Universo, pelo menos do teu. Explica-nos, porque estamos todos curiosos, como é que um livro nasce da Álgebra Linear?
R: Essa é uma pergunta a que ninguém resiste. Pois, a decisão que mencionei foi tomada durante um estudo da dita disciplina. Estava verdadeiramente aborrecido e farto de a estudar e resolvi distrair-me. Nesse dia escrevi o prólogo do Avatar e fiz nascer o Destino do Universo. Mas nota que gosto bastante de matemática, para que não haja qualquer mal-entendido.

Foi fácil lançares-te no mundo literário?
R: É uma boa pergunta. Por um lado até obtive respostas positivas logo de início, embora devido ao tamanho da saga, que deverá contar com 6 ou 7 volumes, tenha acabado por ser recusada. Depois disso estive um ano a tentar encontrar editora e a ser constantemente recusado ou ignorado por diversas razões, nenhuma delas a qualidade da história. Na verdade, julgo que a maioria nem a leu, tendo em conta as respostas. No fim foi a Nova Gaia, um dos meus primeiros contactos, a dizer o tão esperado sim. Fazendo o balanço, não foi fácil, mas também acabou por não ser verdadeiramente difícil.

Onde vais buscar a tua inspiração?
R: A tudo. Pode-se dizer que à vida, visto que são todas as minhas experiências que estimulam a minha criatividade. Desde as pessoas com quem convivo, situações que vivencio ou que me contam, filmes, livros, música… tudo, mesmo. A partir daí é dar liberdade à imaginação e ver a onde ela me leva.

Como é o teu processo criativo? Tens algum ritual?
R: Infelizmente, a falta de tempo devido à rotina diária deixa-me pouco espaço para rituais. Mas tento escrever quando posso e me apetece. Por vezes tento dar um empurrão, quando vejo que estou muito tempo sem escrever (um dia ou dois), mas tento não forçar demasiado. Há dias em que escrevo mais, outro em que escrevo menos. Mas quando entro naquilo a que chamo “frenesim de escrita” sou capaz de ficar dias seguidos sem dormir mais que alguns minutos.
Quanto ao meu método de escrita, opto por não planear e escrever de improviso. Desta forma, a própria história consegue surpreender-me. É claro que tenho vários pontos planeados, mas não passam disso mesmo, marcas a que tenho de chegar. Tento não planear demasiado.

Quais são as tuas referências literárias?
R: J. R. R. Tolkien, pelo seu brilhantismo a criar um mundo de raiz com um detalhe incrível, quando pouco ou nada havia na altura. Juliet Marillier, pela sua capacidade de transmitir emoções através dos seus textos. Robin Cook, pois consegue misturar o ambiente de um policial com a medicina de forma única. Christian Jacq, pela maneira como nos transporta através do tempo e nos mostra e ensina História de uma perspectiva totalmente nova. Há mais, mas estas são daquelas de que me lembro logo.

Tens algum livro que te tenha marcado? Se sim, qual e porquê?
R: Ai… essa é uma pergunta verdadeiramente tramada. Leio tanto que houve vários de que gostei muito e simplesmente não consigo distinguir um acima dos outros. Mas posso adiantar que houve alguns que realmente que me direccionaram, como os da colecção Aventuras Fantásticas da Verbo, onde jogamos um RPG ao mesmo tempo que lemos, e que sem dúvida me puxou o gosto para a literatura fantástica ao introduzir-me de um modo mais literal, visto que o leitor é a personagem principal, em mundos repletos de criaturas mitológicas.

Qual a tua citação preferida?
R: “O que não nos mata, torna-nos mais fortes”, de Friedrich Nietzsche. Temos de ser capazes de nos mantermos firmes face às dificuldades e, superando-as, ficarmos mais fortes do que éramos antes, mais completos e sábios.

Qual foi o último livro que leste?
R: “Terras de Corza: Os Doze Reinos” da Madalena Santos. De momento estou a ler “Orbias: O Demónio Branco” do Fábio Ventura.

Qual das personagens da tua Saga é mais parecida contigo? E porquê?
R: Esta é de caras, o Fredisson Vindal. Primeiramente porque me baseei em mim próprio para o criar, daí o nome, tal como usei pessoas que conheço para criar grande parte das personagens da história. É claro que, no meu caso em concreto, lhe adicionei uma boa dose de coragem e uns poderes extra. Acho que nas situações em que ele se vê envolvido fugia ao invés de atirar piadas ou fazer pouco do meu adversário. Mas, como diz a minha esposa, também não tenho o treino que ele teve. Nunca se sabe…

Se estivesses de escolher uma banda sonora para acompanhar a leitura desta Saga qual seria?
R: Metal, sem dúvida, mais acelerado para as cenas de luta e com um toque celta/folk em determinadas situações. É geralmente o que eu próprio ouço quando escrevo, com preferências para bandas como Metallica, Iron Maiden ou os nacionais Hyubris.

Sabemos que a Saga “Destino do Universo” vai contar com um terceiro volume “O Guerreiro Elementar”. O que podemos esperar de diferente deste terceiro capítulo em relação aos outros?
R: No primeiro a história centrou-se na Alexis, que era super-protegida por razões óbvias. O segundo já nos deu uma visão mais crua de uma guerra. Neste voltei a concentrar-me numa personagem, o Larn, que irá mostrar-nos mais sobre Nova, mas sem a protecção que Alexis teve. Como tal, vai estar posto a diversos horrores que ela não presenciou, tornando a história mais obscura. Também abordei temas mais adultos, com todos os dilemas morais de Larn e explorei a construção de cenas íntimas mais a fundo do que nos livros anteriores. Este último ponto foi algo que temi, visto que sempre me disseram que a língua portuguesa era péssima para cenas de sexo. Agora que as escrevi, tenho de discordar, modéstia à parte.

Sabemos que te encontras a desenvolver um projecto paralelo ao “Destino do Universo”. Queres nos desvendar um pouco da história?
R: É um projecto conjunto com outra pessoa, o Sérgio Alxeredo, e devo dizer que estou a ficar bastante satisfeito com o resultado. Sem querer adiantar muito, devo dizer que gira em torno de uma personagem que decide ser diferente e explorar o desconhecido, acabando por se ver envolvido em algo muito maior do que esperava.

Quais são os teus planos e objectivos para o futuro?
R: De momento, quero acabar estes dois projectos e publicá-los. Ter várias pessoas ansiosas por ler os meus livros é entusiasmante e, acima de tudo, não os quero desiludir. Depois, logo se vê. Vou continuar a escrever, sem dúvida, e tenho várias ideias a flutuar na minha mente, mas não quero decidir nada para já e concentrar-me no que tenho em mãos.

Passatempo "John Lennon Nunca Morreu"

A D'Magia em parceria com a Chiado Editora oferecer 3 exemplares de "John Lennon Nunca Morreu" de Catarina Coelho.

Sinopse:
John Lennon nunca morreu apresenta sete contos que conjugam fantasia, magia, sobrenatural e improvável. Entrando directamente na mente e nas emoções das personagens, cada história procura ser, ao mesmo tempo, visão imaginária e reflexo de sentimentos.

Sinopses parciais dos contos:

John Lennon nunca morreu - A história de um fã entusiástico dos Beatles, que não se conforma com a grande perda sofrida pela música com a morte de John Lennon e decide fazer alguma coisa quanto a isso.

A Troca - Stella e Charlotte vivem perto de uma floresta ancestral. Nela, existem forças que reinam soberanas. E desafiá-las pode ter consequências inesperadas…

Pequenos demónios - Após anos de ausência, a protagonista deste conto regressa à casa onde cresceu e descobre como o passado, que julgava completamente morto e enterrado, pode tornar-se assustadoramente vivo e presente.

O Sacrifício - Um monge cristão chega a um território onde a fé é a dos velhos deuses e o choque com a nova crença é inevitável. Quando o amor acontece e ameaça abalar a velha ordem, homens e deuses vêem-se envolvidos numa disputa cujo preço pode ser demasiado alto…

E nada mais importa - Mesmo quando o coração se julga nulo e insignificante, o bem que fazemos pode dar sentido a toda uma vida e um simples gesto de caridade pode fazer toda a diferença...

Espelhos - Elizabeth odeia a hipocrisia que reina entre os convidados para o baile de Whitestone, a forma como escondem entre sorrisos e cortesias os seus maiores defeitos. Mas, um dia, será ela a organizadora desse baile e decidirá preparar para os seus convidados uma surpresa que eles nunca esquecerão…

Espírito da Natureza - Em Green Oaks, celebra-se a festa das colheitas, junto do castelo do senhor daqueles domínios. Mas os festejos são perturbados por um acontecimento misterioso, que abalará a paz daquela terra e fará a comunidade perceber que há forças maiores em jogo…


Para te habilitares a ser um dos vencedores basta nos enviares uma crítica a um livro lido por ti, as três melhores criticas serão as vencedoras.

As participações deverão ser enviadas para literatura@dmagia.net seus dados pessoais, até ao dia 6 de Março.


Regras do passatempo:
1) Ser seguidor do blog.
2) Apenas participantes com moradas de Portugal.
3) Não existe limite de participações por participante.
4) O participante autoriza a publicação da crítica enviada por si.

Passatempo "História Concisa de Como se Faz a Guerra"

A D'Magia em parceria com a Europa-América para oferecer 2 exemplares de "História Concisa de Como se Faz a Guerra" de General Loureiro dos Santos.

Sinopse:
No seu novo livro, o General Loureiro dos Santos traça uma súmula da história da guerra ao longo dos tempos, da época pré-clássica à actualidade, condensando informações pertinentes que convertem esta obra num manual ímpar de polemologia. Abordando metodicamente vários aspectos dos conflitos bélicos, o autor debruça-se em primeiro lugar sobre as influências da técnica na ciência e na arte da guerra e sobre os elementos essenciais de combate. Em seguida, o autor expõe globalmente a evolução dos sistemas de coacção militar, atendendo às várias épocas históricas, dinâmicas e meios técnicos, culminando na aturada análise de conflitos da actualidade, como a Guerra do Afeganistão e a Guerra do Iraque, e de circunstâncias modernas que condicionam o aparecimento de novos conflitos em peculiares teatros de operações, como a guerra na era da informação.


Para te habilitares a um exemplar basta responderes correctamente às seguintes perguntas:

1 - Qual o autor deste livro?
2 - É traçada uma súmula da história da guerra ao longo de que épocas?
3 - O autor debruça-se em primeiro lugar sobre o quê?

As respostas podem ser encontradas aqui e deverão ser enviadas para literatura@dmagia.net com os teus dados pessoais (incluíndo o nick de seguidor do blogue), até ao dia 4 de Março.


Regras do passatempo:
1) Ser seguidor do blogue.
2) Apenas participantes com moradas de Portugal.
3) Apenas uma participação por cada nome e email.
4) Participações sem menção ao nick de seguidor do blogue não serão validadas. Atenção: o que é pedido é o nick de seguidor do blogue e não do facebook.

Passatempo "Uma Inquietante Simetria"

A D'Magia em parceria com a Editorial Presença tem para oferecer 1 exemplar de "Uma Inquietante Simetria" de Audrey Niffenegger.

Sinopse:
Quando Elspeth Noblin morre de cancro deixa o seu apartamento em Londres às sobrinhas Julia e Valentina, que nunca chegou a conhecer. As jovens, gémeas idênticas e inseparáveis desde a nascença, decidem mudar-se para lá, na esperança de também conhecerem um pouco mais da história da sua família. Mas o que vão encontrar no prédio com vista para o famoso Highgate Cemetery é muito mais obscuro do que contavam enfrentar… Uma deliciosa história sobre o amor, a identidade, os laços que nos unem e a força da vida, que transcende todas as barreiras.

Autor:
Audrey Niffenegger é escritora e artista plástica. O seu primeiro romance, A Mulher do Viajante no Tempo, que a Presença publicou nesta colecção, figurou em 11.º lugar na lista dos 50 Melhores Livros de Sempre do Daily Telegraph, votada pelos leitores. Em 2010 estreou em Portugal uma adaptação cinematográfica desta obra.



Para se habilitar a um exemplar basta responder correctamente às seguintes perguntas:

1 - De que morre Elspeth Noblin?
2 - Qual oo nome das gémeas?
3 - Para onde tem vista o prédio?
4 - Para além de escritora, Audrey Niffenegger é?
5 - "A Mulher do Viajante no Tempo" figurou em que lugar na lista dos 50 Melhores Livros de Sempre do Daily Telegraph?

As respostas podem ser encontradas aqui e deverão ser enviadas para literatura@dmagia.net com os teus dados pessoais (incluíndo o nick de seguidor do blogue), até ao dia 6 de Março.


Regras do passatempo:
1) Ser seguidor do blogue.
2) Apenas participantes com moradas de Portugal.
3) Apenas uma participação por cada nome e email.
4) Participações sem menção ao nick de seguidor do blogue não serão validadas. Atenção: o que é pedido é o nick de seguidor do blogue e não do facebook.

Passatempo "A Vida e as Opiniões do Cão Maf e da sua Amiga Marilyn Monroe"

A D'Magia em parceria com a Bertrand tem para oferecer 2 exemplares de "A Vida e as Opiniões do Cão Maf e da sua Amiga Marilyn Monroe" de Andrew O’Haga.

Sinopse:
Em Novembro de 1960, Frank Sinatra ofereceu um cão a Marilyn Monroe. O seu nome era Maf. Tinha instinto para as celebridades. Para a política. Para a psicanálise. Para a literatura. Para a decoração de interiores. Para fígado com uma dose adicional de biscoitos.
Nascido na casa de Vanessa Bell, trazido para os Estados Unidos pela mãe de Natalie Wood, dado como presente de Natal a Marilyn no Inverno que se seguiu à sua separação de Arthur Miller, Maf oferece nos um vislumbre do mundo da maior estrela de Hollywood. Já para não falar de uma espreitadela hilariante para o cérebro de um herói canino opinativo, que leu muito, que é politicamente transviado e complexo.
Maf esteve com Marilyn durante os dois últimos anos da sua vida, primeiro em Nova Iorque, onde ela se relacionava com todas as pessoas que fossem alguém – o vendedor de arte Leo Castelli, Lee Strasberg e o pessoal de Actor’s Sudio, emigrantes de Upper West Side – e depois de regresso a Los Angeles. Levou-o a conhecer o presidente Kennedy e aos restaurantes de Hollywood, a lojas e entrevistas. Ao México, para o seu divórcio. Com estilo, brilhantismo, e panache, Andrew O’Hagan desenhou um retrato original da mulher por detrás do ícone, e do cão por detrás da mulher.

Autor:
Andrew O’Hagan nasceu em Glasgow em 1968. Os Nossos Avós, o seu romance de estreia, foi finalista do Booker Prize. O seu segundo romance, Personality, venceu o James Tait Black Memorial Prize for Fiction em 2003. No mesmo ano, foi-lhe concedido o prémio E. M. Forster e a Granta nomeou-o um dos melhores jovens romancistas britânicos. Vive em Londres.

Para se habilitar a um exemplar basta responder correctamente às seguintes perguntas:

1 - Qual o nome do cão que Frank Sinatra ofereceu a Marilyn Monroe?
2 - Onde nasceu Maf?
3 - Com quem se realcionava Marilyn?
4 - Em que ano nasceu o autor?

As respostas podem ser encontradas aqui e deverão ser enviadas para literatura@dmagia.net com os teus dados pessoais (incluíndo o nick de seguidor do blogue), até ao dia 4 de Março.


Regras do passatempo:
1) Ser seguidor do blogue.
2) Apenas participantes com moradas de Portugal.
3) Apenas uma participação por cada nome e email.
4) Participações sem menção ao nick de seguidor do blogue não serão validadas. Atenção: o que é pedido é o nick de seguidor do blogue e não do facebook.

Passatempo "Obviamente Mulher"

A D'Magia em parceria com a Âncora Editora tem para oferecer 5 exemplares de Obviamente Mulher, de Filipa Gonçalves e Maria Carvalho Costa.

Sinopse:
Obviamente Mulher é a biografia de Filipa Gonçalves, uma modelo de sucesso que nasceu menino, em Lisboa, em Abril de 1979. Aos 18 anos iniciou o processo de transformação que lhe devolveu a essência feminina que a acompanha desde que, aos 3 anos, começou a rejeitar a condição de rapaz. A obra inclui testemunhos dos pais, Tina e Nené (antigo jogador do Sport Lisboa e Benfica), e dos médicos que acompanharam o processo de transformação de Filipa Gonçalves, Ângelo Rebelo e Pereira Coelho.

Autor:
Filipa Gonçalves recebeu recentemente o Prémio Arco-Íris 2010, pela publicação deste livro.

Para se habilitar a um exemplar basta responder correctamente às seguintes perguntas:

1 - Quem atribui o Prémio Arco-Íris?
2 - Quando e onde decorreu a cerimónia de entrega do prémio de Filipa Gonçalves?
3 - Quais foram os restantes galardoados com o Prémio Arco-Íris 2010?

As respostas podem ser encontradas aqui e deverão ser enviadas para literatura@dmagia.net com os teus dados pessoais (incluíndo o nick de seguidor do blogue), até ao dia 4 de Março.


Regras do passatempo:
1) Ser seguidor do blogue.
2) Apenas participantes com moradas de Portugal.
3) Apenas uma participação por cada nome e email.
4) Participações sem menção ao nick de seguidor do blogue não serão validadas. Atenção: o que é pedido é o nick de seguidor do blogue e não do facebook.

20 de fevereiro de 2011

Passatempo - "Era uma vez uma velhinha" - Vencedores

A D'Magia agradece a todos os participantes, infelizmente só 2 poderiam ser premiados.

E os vencedores são:
Eva Gâmboa - Évora
Gracinda Silva - Pombal

Os vencedores serão contactados por email.
Parabéns aos vencedores e os votos de boas leituras

Passatempo "Um Anjo ao meu Lado" - Vencedores

A D'Magia agradece a todos os participantes, infelizmente só 3 poderiam ser premiados.

E os vencedores são:
Lidia Dias - Moimenta da Beira
Vânia Nobre - Aljezur
Carla Louro - Almada

Os vencedores serão contactados por email.
Parabéns aos vencedores e os votos de boas leituras

Passatempo "Sentimento" - Vencedor

A D'Magia agradece a todos os participantes, infelizmente só 1 poderia ser premiado.

E o vencedor é:
Paula Torres - Mazarefes

O vencedor será contactado por email.
Parabéns ao vencedor e os votos de uma boa leitura.

Passatempo "A Rainha Vermelha" - Vencedores

A D'Magia agradece a todos os participantes, infelizmente só 2 poderiam ser premiados.

E os vencedores são:
Estelina Sousa - Lisboa
Bruno Oliveira - Lisboa

Os vencedores serão contactados por email.
Parabéns aos vencedores e os votos de boas leituras

Passatempo "A cor dos sonhos" - Vencedores

A D'Magia agradece a todos os participantes, infelizmente só 2 poderiam ser premiados.

E os vencedores são:
Adelaide Aguiar - Valongo
Mauricio Pinto - Torres Novas

Os vencedores serão contactados por email.
Parabéns aos vencedores e os votos de boas leituras

Passatempo "O Diário" - Vencedor

A D'Magia agradece a todos os participantes, infelizmente só 1 poderia ser premiado.

E o vencedor é:
Cat SaDiablo - Porto

O vencedor será contactado por email.
Parabéns ao vencedor e os votos de uma boa leitura.

Passatempo "Chegámos a Fisterra" - Vencedores

A D'Magia agradece a todos os participantes, infelizmente só 5 poderiam ser premiados.

E os vencedores são:
Joana Belo - Azeitão
Ana Rita Domingos - Agualva
Lilia Gomes - Ribeira Brava
Tiago Carvalho - Seixal
Mariana Abreu - Moura

Os vencedores serão contactados por email.
Parabéns aos vencedores e os votos de boas leituras

Passatempo "As Imagens com que a Ciência se Faz" - Vencedores

A D'Magia agradece a todos os participantes, infelizmente só 3 poderiam ser premiados.

E os vencedores são:
Elizabete Fonseca - Linda-a-Velha
Pedro Serra - Bombarral
Luísa Rio - Gouveia

Os vencedores serão contactados por email.
Parabéns aos vencedores e os votos de boas leituras

Opinião - Nove Mil Passos


Título: Nove Mil Passos
Autor: Pedro Almeida Vieira
Editora: Publicações D. Quixote

Sinopse:
"Francisco d'Ollanda - um dos primeiros humanistas portugueses - toma, no século XVI, a incumbência de encontrar ums solução para a sede crónica na capital do Reino. Mas várias adversidades abortam esta tentiva. A sua morte acaba, contundo, por não ser um obstáculo a que 'acompanhe' e nos relate as peripécias da construção do Aqueduto das Águas Livres, iniciada apenas no reinado de D. João V, na primeira metade do século XVIII.
Sob a forma de espírito omnipresente e omnisciente, ele narra paralelamente - num tom intimista e humorístico - as intrigas da Corte, a libertinagem e o fausto da vida do rei, o despontar da Maçonaria e o quotidiano surrealista de uma sociedade que vacila entre as crendices e o terror à Igreja. Mas ter-se-à Francisco d'Ollanda limitado ao papel de testemunha durante as duas décadas que levaram a ligar, numa extensão de Nove Mil Passos, a Fonte das Águas Livres a Lisboa?"

Opinião por Ana Melo:
Não conhecia o autor, Pedro Almeida Vieira e fiquei agradavelmente surpreendida. É um mestre na utilização da língua para a descrição da construção de um marco tão importante para a cidade de Lisboa - o Aqueduto das Águas Livres. O narrador, Francisco d'Ollanda, atravessa dois séculos de história, para com uma ironia mordaz, nos contar as desventuras da construção do aqueduto. A crítica à sociedade portuguesa é certeira e fez-me suspirar - até parece que nunca passamos da cepa torta. O início da Maçonaria em Portugal tem também lugar de destaque. Até ficamos a conhecer a Serafina que deu nome ao bairro sobranceiro a Lisboa. As tramóias que giram à volta do aqueduto, que avança e deixa de avançar estão muito bem descritas assim como a conspiração à volta do rei e a sempre presença da Igreja, tudo se torna hilariante (se não fosse triste...), já para não falar do desgraçado do povo de Lisboa que há não sei quanto tempo pagava o real da água, e ela que nunca chegava, pois os fundos eram desviados para outras 'utilidades'...

Opinião - Viver sem ti


Título: Viver sem ti
Autor: Jorge Bucay
Editora: Pergaminho

Sinopse:
Irene é uma prestigiada terapeuta de casais que dedicou toda a sua carreira a investigar os mecanismos do amor e a ajudar os seus pacientes a recuperar a autoconfiança após uma separação. A sua vida familiar e pessoal, aparentemente organizada e tranquila, vê-se virada do avesso no dia em que (ignorando o sábio conselho da sua avó Justina, que dizia «quem busca o que não deve, encontra o que não quer») descobre, no bolso do casaco do seu marido Luís, a factura de um quarto de hotel em que ele esteve… com outra mulher. A partir desse momento, Irene inicia um processo que tantas vezes ajudou os seus pacientes a encetar: o da separação, da aceitação de que a sua relação com Luís chegou ao fim. Prepara-se então para partir em busca de um novo amor, um caminho que a leva à autodescoberta e ao reconhecimento do seu poder de escolha. Com inteligência, sabedoria e muito sentido de humor, os autores do best-seller internacional Amar de Olhos Abertos apresentam ao longo destas páginas a chave para escutar o coração e descobrir a autenticidade nas relações amorosas.

Opinião por Susana Fino:
Quando comecei a ler este livro pensei que seria apenas mais um livro sobre relacionamentos falhados. No entanto, enganei-me (felizmente). Este “pequeno” livro (197 páginas) trouxe-me uma nova visão do “amor”, tornando-se mais um livro de auto-reflexão do que de romance/ficção.
Este livro centra-se na personagem de Irene, uma reconhecida terapeuta de casais, casada e com uma família constituída que, de um momento para o outro, se vê confrontada com a infidelidade do marido e o inevitável divórcio (após falhadas tentativas de reconciliação). No entanto, e apesar de pensar, num primeiro momento, que seria finalmente livre (após anos e anos de casamento), vê-se confrontada com várias dificuldades, a maioria delas colocada por ela própria. Situações que reconhece existir enquanto terapeuta, que ajudou inúmeros pacientes a superar, mas que ela própria não consegue ultrapassar. Este livro dá-nos a visão, na primeira pessoa, das dificuldades com que uma mulher divorciada, com mais de 40 anos, se confronta na sociedade de hoje, os pensamentos, os insucessos, os amores.
Mas desengane-se quem pense que o livro serve apenas como um “guia” para pessoas que, por uma razão ou outra, se separaram. O livro transmite-nos igualmente mensagens muito importantes que podem (e devem) ser utilizadas para manter uma relação sã com a pessoa que amamos. E foi nessa perspectiva que eu afirmo que o livro é interessante: faz-nos perceber que não podemos mudar os outros (apesar de este ser já um cliché) e que não existem relações perfeitas… Uma das mensagens transmitidas é a de que, independentemente das dificuldades típicas do relacionamento e das pequenas coisas que nos irritam na outra pessoa, temos de avaliar se nos sentimos compensados por aquilo que a outra pessoa nos dá (no imediato, a curto prazo, a médio prazo… enfim, essa é uma avaliação cada leitor fará da situação em concreto). E é nessa perspectiva que o livro pode ser uma leitura útil. Relembra-nos que numa relação existem dificuldades, que após a fase da paixão (quando chega o amor), o mais importante é que o saldo (felicidades – tristezas) seja positivo.
Outra das mensagens transmitidas (entre tantas!) é a de que, com a pessoa que se ama, pode-se ser quem é, pode-se agir, pensar, fazer o que se quer, sem ter receio que ela se afaste. E muitas vezes não nos apercebemos da importância disso…
Estas são apenas duas das mensagens transmitidas no livro. No meu entender, existem muitas mais que tornam este livro uma boa leitura.
Recomendo!!!

19 de fevereiro de 2011

Novidade Fevereiro de 2011: O Artista e a Cidade, de Eugenio Trías

Este é, de todos os meus livros, aquele em que mais rotundamente se afirma [a] identidade europeia; simplesmente fá-lo através da transferência que permite a interpretação de alguns dos seus episódios mais significativos: a tradição platónica, que chega até ao Renascimento italiano, e a grande tradição cultural clássica, romântica e moderna alemã (Goethe, Hegel, Wagner, Nietzsche, Thomas Mann). Grécia, Itália, Alemanha: os eixos principais da minha identificação com a Europa.

Através desta experiência fui pondo à prova algumas categorias platónicas que me foram sempre muito queridas (a concepção do eros formativo e plasmador, capaz de objectivar-se no mundo cívico, a concepção da poiesis como criação produtiva; a mediação de ambas as concepções; a correlação da Alma e da Cidade da República). (…)

Interessou-me seguir o rasto destes conceitos através do tempo, tomando como ocasião as figuras de filósofos, autores literários e artistas como os atrás citados. O livro que de tudo isto resultou corresponde, como se diz no seu final, ao género “ensaio”. Mas é inteiramente atravessado por uma ambição, ainda tentativa e experimental, de formar para mim certos conceitos visando uma aventura mais estritamente filosófica (na qual é iniludível a articulação conceptual

De morrer a rir - Big Nate - Numa Classe à parte

Sinopse:
Nate sabe que está destinado a grandes coisas… Coisas REALMENTE grandes.
Mas a vida nem sempre segue um caminho grandioso só porque se é genial.
E os problemas acabam por encontrá-lo, mesmo que Nate esteja sempre na boa. Ele sabe que é o melhor – foi um bolinho da sorte que lhe disse!
Para os fãs da hilariante série “Diário de Um Banana”, chega Big Nate, o recordista do mundo em travessuras, e que não é DE TODO o menino dos professores.

Autor:

Lincoin Peirce é ilustrador de banda desenhada e o criador de Big Nate. Publica em mais de duzentos jornais nos Estados Unidos e diariamente online em www.bignate.com O Big Nate é sobre o autor que vive com a mulher e dois filhos em Portland.

Novidades Âncora Editora para Fevereiro

Como motor de uma nova energia em prol da cultura imaterial dos povos, através da salvaguarda do seu património, a UNESCO tem vindo a desafiar os Estados e as instituições a agirem com celeridade e com critério.
Com celeridade, para resgatar a tempo o potencial dos «tesouros vivos» portadores naturais deste património, numa altura em que os avanços
da modernidade e das tecnologias eliminam, irremediavelmente,
os contextos e os rituais a que o património imaterial está associado; com critério, para garantir a qualidade e a genuinidade do espólio protegido e a sua relação efectiva com a identidade e memória cultural dos povos, abrigando-o de ousadas manipulações e aculturações.
É neste quadro que toma forma o Plano de Inventariação do Património Imaterial do Douro, do qual a presente obra é apenas uma face visível. Neste volume apresenta-se uma vasta recolha e compilação das narrações orais dos concelhos de Carrazeda de Ansiães e Vila Flor, acompanhada
de um estudo teórico-metodológico e interpretativo.
Esta edição resulta de uma parceria entre a Âncora Editora e o Museu do Douro.

A colectânea de textos Rio de Memórias – Uma Corrente de Afectos (publicada pela primeira vez em Julho de 2008 e reeditada no ano seguinte) conhece agora a sua versão em castelhano.
A obra evoca as memórias da infância do autor, descrevendo o concelho raiano de Figueira de Castelo Rodrigo nas décadas de 50 e 60 do século XX.
Este é um retrato do modo de vida das aldeias naquele tempo. As feiras, as vindimas, as tabernas, o comércio, a matança do porco, a ceia de Natal, os bailes e os namoros são alguns dos temas abordados por Álvaro Carvalho.
São histórias narradas «com limpidez, exactidão, verdade», como refere o historiador e apresentador José Hermano Saraiva no prefácio da obra.





«Quero ser eu e quero ser diferente/e não me imponham regras de poesia;» Começa assim a obra de Álvares Menezes, como que em jeito de aviso, com o soneto «Do Poeta aos Críticos». Emoções Dispersas compila mais de cem poemas, que proporcionam uma viagem ao que de mais genuíno existe
na poesia tradicional portuguesa.
Numa aproximação à alma melancólica do homem português, marcada pela desilusão e pelo destino, os sonetos de Álvares Menezes lembram Camões e Bocage. A análise dos problemas morais da sociedade actual e a procura das causas do rompimento com o passado é uma das temáticas a descobrir.






Esta seara vocabular, fruto de pesquisa bibliográfica e no terreno, está organizada nos moldes de um dicionário tradicional e dirige-se
à generalidade da população escolarizada.
No final das definições encontra-se a sigla correspondente ao nome do autor da fonte bibliográfica consultada – optou-se por mencionar apenas um autor, mesmo quando, com o mesmo valor semântico,
o vocábulo ou a expressão se encontram referenciados em vários autores – e/ou o local de origem do(s) informador(es). A indicação
da localidade ou localidades destes não significa que a palavra em questão não seja de uso corrente noutros lugares das Beiras, comum à região, ou até usual noutras zonas rurais do país.
O Dicionário de Falares das Beiras é uma edição conjunta da Âncora Editora e das Edições Colibri.

A vida é para ser levada às gargalhadas!

Titulo: Storytelling
Autor:
Gabriel Garcia de Oro
Tradução: Duarte Sousa Tavares
Páginas: 144
PVP: 12,90€
Disponível a 4 de Março

O storytelling como ferramenta empresarial não é nenhuma novidade; já em contextos tão prestigiados como as aulas dos MBA da Universidade de Harvard se estuda os efeitos da narrativa na optimização do desempenho, pois verifica-se que produz um efeito muito positivo a nível da motivação, comunicação, eficácia e sentido de segurança dos colaboradores. Como diz o autor, «às vezes o que não se consegue com uma longa explicação, consegue-se com um conto bem contado».

Este livro apresenta cerca de 50 contos – entre fábulas, fait-divers históricos e anedotas – usados em algumas das melhores escolas de negócios do mundo e que têm muito a ensinar à empresa dos nossos dias. Cada conto é acompanhado de uma análise das lições que tem para oferecer e de uma conclusão – curta, incisiva e prática!

«Era uma vez um corvo que estava pousado num ramo de uma árvore sem fazer nada durante todo o dia. Um coelhinho viu-o e perguntou-lhe:
– Posso sentar-me aqui contigo, sem fazer nada durante todo o dia?
O corvo respondeu-lhe:
– Claro, porque não?
E então, o coelhinho sentou-se no chão, debaixo da árvore e descansou. De repente, apareceu uma raposa que se atirou ao coelho… e o comeu!
Esta história, aparentemente infantil, contém uma lição importante para sobreviver numa empresa: para passar o dia sentado, sem fazer absolutamente nada… é preciso estar sentado muito alto! E, para isso, é preciso saber escalar e sobreviver na fauna empresarial. Mas como? Como alcançar o sucesso e evitar o fracasso? Como sentir-se seguro numa empresa? Como ser valorizado? Como motivar, como sentir-se motivado? Como convencer os outros de que se é merecedor? Através das fábulas, podemos dar resposta a estas e a outras perguntas. Porque, desde sempre, as fábulas têm sido um valioso instrumento para transmitir conceitos importantes a uma equipa de trabalho, e também aproximam ou afastam do sucesso.
(…) Use-as. Explique-as. Transmita-as. Porque, por vezes, uma história bem contada consegue aquilo que uma demorada explicação não consegue.»

Autor:
Gabriel García de Oro nasceu em Barcelona em 1976. É formado em Filosofia, mas prescindiu de se tornar filósofo para se dedicar a trabalhar em comunicação e marketing. Presentemente, trabalha como criativo na OgilvyOne. O mais difícil no seu trabalho diz, não é ter boas ideias, mas convencer os outros de que são boas ideias. Para tal, recorre muitas vezes ao storytelling. Também se dedica a contar histórias fora do seu trabalho. É autor de vários livros infantis e juvenis. www.gabrielgarciadeoro.com